• OCEANO // Fernando Serpa / ...Então procurei o mar_ E mirei seu horizonte_ Seus dons e sua extensão_ Vigiada pelo vento e pela luz da lua__ Distante_ Meus olhos escolheram aquele repouso_ Essa medida_ Essa energia_ Que à própria natureza se irmana__ Percebi com um olhar de lágrimas_ A potência estendida das águas_ E a imóvel solidão cheia de vidas_ Que agitava meu peito__ Provocando ondas de salgado peso e forte volume__ Como o tempo dos meus dias_ Um doce beijo de sal e de espumas_ Na praia, uma úmida fragrância_ De flor molhada__ A água e o vento combinados_ Fizeram-me tremer gelado_ Um medo tsunamico_ Triturou minha pele nua_ E encheu meu ser de tua substância__ Conheci as curvas do silêncio_ Seus rituais e suas crateras_ Que vigiavam minha nudez_ Então um relâmpago infindo_ Triscou no céu e caiu no oceano__ Tombei com o fogo azul__ De terra em terra_ De céu em céu_ De mar em mar_ Fui povoado de ausências e invadido por estátuas___ E a areia lavada testemunhou meu castigo__ Avançaram ainda mais em suas petricidades_ Com seus escudos e lanças_ Provocando uma guerra sem fim_ Dentro de mim__ Enquanto isso uma sombra deslizava_ Como um ser puro hospedado na tormenta_ Banhando de mel a voz do mar_ E os riscos apressados dos relâmpagos dourados__ Teria vindo do mar, como as ondas?_ Seria filha da luz, como as estrelas?_ Surgira das entranhas das ilhas?__ Era calada e tudo dizia_ Como um poema_ Que reinventa a vida__ ...então ergui a cabeça_ E vi a onda vinda do fundo_ Parida no universo abissal, elástica_ Levantada pela potência pura do oceano_ Este ser de seres submarinos_ Que abraça todos os nascimentos e mortes__ Levantei_ As pernas, trêmulas pelo cansaço das batalhas_ Se fortaleceram naquele momento_ E o medo fugiu__ Correram de encontro ao mar_ E num mergulho transbordou-se em claridade_ O olhar afogado do amor humano.___***

    TORUS

    video

    © 2012 fserpa | Todos os direitos reservados - Designed by Serpa